Apostilamento – Apostila de Haia

Até 14 de agosto de 2016, os documentos públicos brasileiros só tinham validade no exterior após reconhecimento de firma ou autenticação em cartório (maioria dos documentos), autenticação do Ministério das Relações Exteriores e, por fim, consularização (ou legalização) no consulado estrangeiro situado no Brasil.

A partir desta data, os consulados estrangeiros não fazem mais a legalização (consularização). Este processo foi substituído pelo apostilamento (APOSTILA DE HAIA).

Apostilamento é o ato praticado pelo Oficial e pelo Tabelião para que um documento público tenha validade em outros países signatários da Convenção de Haia.

As normas que regem a apostila são: Convenção de Haia; o Decreto Legislativo Brasileiro número 148/2015, que aprovou a Convenção de Haia; o Decreto Federal Brasileiro número 8660/2016, que trouxe a Convenção para o plano jurídico interno; e resoluções e provimentos do Conselho Nacional de Justiça do Brasil, que outorgou aos oficiais de registro e tabeliães (cartórios) a competência para apostilar.

As legalizações (Apostila de Haia) no 27º Cartório do Tatuapé são feitas sempre, no máximo, de um dia para o outro, não importando a quantidade.

Maiores informações podem ser obtidas pelo telefone 11 2942 1010, pelo e-mail apostilamento@cartoriotatuape.com.br ou pelo whatsapp 11 9 9611 8566.

NORMATIZAÇÕES SOBRE O TEMA

DECRETO LEGISLATIVO Nº 148, DE 2015 Aprova o texto da Convenção sobre a Eliminação da Exigência de Legalização de Documentos Públicos Estrangeiros, celebrada na Haia, em 5 de outubro de 1961.

(https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decleg/2015/decretolegislativo-148-6-julho-2015-781175-convencao-147469-pl.html)

     O Congresso Nacional decreta:

     Art. 1º Fica aprovado o texto da Convenção sobre a Eliminação da Exigência de Legalização de Documentos Públicos Estrangeiros, celebrada na Haia, em 5 de outubro de 1961.

     Parágrafo único. Ficam sujeitos à aprovação do Congresso Nacional quaisquer atos que possam resultar em revisão da referida Convenção, bem como quaisquer ajustes complementares que, nos termos do inciso I do art. 49 da Constituição Federal, acarretem encargos ou compromissos gravosos ao patrimônio nacional.

     Art. 2º Este Decreto Legislativo entra em vigor na data de sua publicação.

     Senado Federal, em 6 de julho de 2015

Senador RENAN CALHEIROS

Presidente do Senado Federal

CONVENÇÃO SOBRE A ELIMINAÇÃO DA EXIGÊNCIA DE LEGALIZAÇÃO DE DOCUMENTOS PÚBLICOS ESTRANGEIROS

(Celebrada em 5 de outubro de 1961)

     Os Estados Signatários da presente Convenção,

     Desejando eliminar a exigência de legalização diplomática ou consular de documentos públicos estrangeiros,

     Decidiram celebrar uma Convenção com essa finalidade e concordaram com as seguintes disposições:

Artigo Primeiro

     A presente Convenção aplica-se a documentos públicos feitos no território de um dos Estados Contratantes e que devam produzir efeitos no território de outro Estado Contratante.

     No âmbito da presente Convenção, são considerados documentos públicos:

a) Os documentos provenientes de uma autoridade ou de um agente público vinculados a qualquer jurisdição do Estado, inclusive os documentos provenientes do Ministério Público, de escrivão judiciário ou de oficial de justiça;

b) Os documentos administrativos;

c) Os atos notariais;

d) As declarações oficiais apostas em documentos de natureza privada, tais como certidões que comprovem o registro de um documento ou a sua existência em determinada data, e reconhecimentos de assinatura.

     Entretanto, a presente Convenção não se aplica:

a) Aos documentos emitidos por agentes diplomáticos ou consulares;

b) Aos documentos administrativos diretamente relacionados a operações comerciais ou aduaneiras.

Artigo 2º

     Cada Estado Contratante dispensará a legalização dos documentos aos quais se aplica a presente Convenção e que devam produzir efeitos em seu território. No âmbito da presente Convenção, legalização significa apenas a formalidade pela qual os agentes diplomáticos ou consulares do país no qual o documento deve produzir efeitos atestam a autenticidade da assinatura, a função ou o cargo exercido pelo signatário do documento e, quando cabível, a autenticidade do selo ou carimbo aposto no documento.

Artigo 3º

     A única formalidade que poderá ser exigida para atestar a autenticidade da assinatura, a função ou cargo exercido pelo signatário do documento e, quando cabível, a autenticidade do selo ou carimbo aposto no documento, consiste na aposição da apostila definida no Artigo 4º, emitida pela autoridade competente do Estado no qual o documento é originado.

     Contudo, a formalidade prevista no parágrafo anterior não pode ser exigida se as leis, os regulamentos ou os costumes em vigor no Estado onde o documento deva produzir efeitos – ou um acordo entre dois ou mais Estados contratantes – a afastem ou simplifiquem, ou dispensem o ato de legalização.

Artigo 4º

     A apostila prevista no primeiro parágrafo do Artigo 3º será aposta no próprio documento ou em uma folha a ele apensa e deverá estar em conformidade com o modelo anexo à presente Convenção.

     A apostila poderá, contudo, ser redigida no idioma oficial da autoridade que a emite. Os termos padronizados nela inscritos também poderão ser redigidos em um segundo idioma. O título “Apostille (Convention de La Haye du 5 octobre 1961)” deverá ser escrito em francês.

Artigo 5º

     A apostila será emitida mediante solicitação do signatário do documento ou de qualquer portador. Quando preenchida adequadamente, a apostila atesta a autenticidade da assinatura, a função ou o cargo exercido pelo signatário do documento e, quando cabível, a autenticidade do selo ou carimbo nele aposto. A assinatura, selo ou carimbo contidos na apostila serão isentos de qualquer certificação.

Artigo 6º

     Cada Estado Contratante designará as autoridades às quais, em razão do cargo ou função que exercem, será atribuída a competência para emitir a apostila prevista no primeiro parágrafo do Artigo 3º.

     Esta designação deverá ser notificada pelo Estado Contratante ao Ministério das Relações Exteriores dos Países Baixos, no momento do depósito do respectivo instrumento de ratificação, adesão ou da respectiva declaração de extensão. Todas as modificações que ocorrerem na designação daquelas autoridades também deverão ser notificadas ao referido Ministério.

Artigo 7º

     Cada uma das autoridades designadas nos termos do Artigo 6º manterá registro ou arquivo no qual serão anotadas as apostilas emitidas, especificando:

a) O número e a data da apostila;

b) O nome do signatário do documento público e o cargo ou função por ele exercida ou, no caso de documentos não-assinados, a indicação da autoridade que apôs o selo ou carimbo.

     Mediante solicitação de qualquer interessado, a autoridade emissora da apostila verificará se os dados nela inscritos correspondem àqueles contidos no registro ou no arquivo.

Artigo 8º

     Sempre que um tratado, convenção ou acordo entre dois ou mais Estados Contratantes contiver disposições que sujeitem o reconhecimento de uma assinatura, selo ou carimbo a certas formalidades, a presente Convenção apenas derrogará as referidas disposições se tais formalidades forem mais rigorosas do que a formalidade prevista nos Artigos 3º e 4º.

Artigo 9º

     Cada Estado Contratante tomará as providências necessárias para evitar que seus agentes diplomáticos ou consulares realizem legalizações nos casos em que esse procedimento seja dispensado pela presente Convenção.

Artigo 10

     A presente Convenção fica aberta à assinatura pelos Estados representados na 9ª Sessão da Conferência da Haia sobre Direito Internacional Privado, bem como por Irlanda, Islândia, Liechtenstein e Turquia.

     A Convenção será ratificada e os instrumentos de ratificação serão depositados junto ao Ministério das Relações Exteriores dos Países Baixos.

Artigo 11

     A presente Convenção entrará em vigor no sexagésimo dia após o depósito do terceiro instrumento de ratificação previsto no segundo parágrafo do Artigo 10.

     A Convenção entrará em vigor, para cada Estado signatário que a ratifique posteriormente, no sexagésimo dia após o depósito do respectivo instrumento de ratificação.

Artigo 12

     Qualquer Estado que não esteja mencionado no Artigo 10 poderá aderir à presente Convenção depois da sua entrada em vigor, de acordo com o primeiro parágrafo do Artigo 11. O instrumento de adesão será depositado junto ao Ministério das Relações Exteriores dos Países Baixos.

     A adesão somente produzirá efeitos no âmbito das relações entre o Estado aderente e os Estados Contratantes que não apresentem objeção à adesão nos seis meses posteriores ao recebimento da notificação prevista no Artigo 15, alínea “d”. Qualquer objeção será informada ao Ministério das Relações Exteriores dos Países Baixos.

     A Convenção entrará em vigor entre o Estado aderente e os Estados que não tiverem apresentado objeção à adesão no sexagésimo dia após a expiração do prazo de seis meses previsto no parágrafo anterior.

Artigo 13

     Qualquer Estado, no momento da assinatura, da ratificação ou da adesão, poderá declarar que a aplicação da presente Convenção se estenderá ao conjunto dos territórios que ele representa no plano internacional, ou a um ou a alguns dentre eles. Essa declaração terá efeito na data da entrada em vigor da Convenção para o Estado em questão.

     Posteriormente, tais extensões serão notificadas ao Ministério das Relações Exteriores dos Países Baixos.

     Quando um Estado que tenha assinado e ratificado a presente Convenção apresentar declaração de extensão, esta entrará em vigor nos territórios em questão conforme o Artigo 11. Quando a declaração de extensão for feita por um Estado que tenha aderido à Convenção, esta entrará em vigor nos territórios em questão conforme o Artigo 12.

Artigo 14

     A presente Convenção terá vigência de cinco anos a partir da data da sua entrada em vigor, nos termos do primeiro parágrafo do Artigo 11, inclusive para os Estados que a ratificaram ou a ela aderiram posteriormente.

     Caso não haja denúncia, a Convenção será renovada tacitamente a cada cinco anos.

     A denúncia será notificada ao Ministério das Relações Exteriores dos Países Baixos, pelo menos seis meses antes do final do período de cinco anos.

     A denúncia poderá limitar-se a alguns dos territórios aos quais a Convenção se aplica.

     A denúncia produzirá efeitos apenas em relação ao Estado que tenha feito a respectiva notificação.

     A Convenção permanecerá em vigor para os outros Estados Contratantes.

Artigo 15

     O Ministério das Relações Exteriores dos Países Baixos deverá notificar os Estados mencionados no Artigo 10 e os Estados que tenham aderido nos termos do Artigo 12 sobre o seguinte:

a) As notificações previstas no segundo parágrafo do Artigo 6º;

b) As assinaturas e ratificações previstas no Artigo 10;

c) A data em que a presente Convenção entrará em vigor nos termos do primeiro parágrafo do Artigo 11;

d) As adesões e objeções previstas no Artigo 12 e a data em que as adesões entrarão em vigor;

e) As extensões previstas no Artigo 13 e a data em que entrarão em vigor; e

f) As denúncias previstas no terceiro parágrafo do Artigo 14.

     Em fé do que, os abaixo assinados, devidamente autorizados, firmaram a presente Convenção.

     Concluída na Haia, em 5 de outubro de 1961, em francês e inglês, sendo que o texto em francês prevalecerá em caso de divergência entre os dois textos, em uma única cópia que será depositada nos arquivos do Governo dos Países Baixos e da qual será remetida uma cópia autenticada, por via diplomática, para cada Estado representado na 9ª Sessão da Conferência da Haia sobre Direito Internacional Privado, bem como para Irlanda, Islândia, Liechtenstein e Turquia.

DECRETO FEDERAL Nº 8.660, DE 29 DE JANEIRO DE 2016              

(http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2016/decreto/d8660.htm)

Promulga a Convenção sobre a Eliminação da Exigência de Legalização de Documentos Públicos Estrangeiros, firmada pela República Federativa do Brasil, em Haia, em 5 de outubro de 1961.

A PRESIDENTA DA REPÚBLICA , no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, caput , inciso IV, da Constituição, e

Considerando que a Convenção sobre a Eliminação da Exigência de Legalização de Documentos Públicos Estrangeiros foi firmada em Haia, em 5 de outubro de 1961;

Considerando que o Congresso Nacional aprovou a Convenção sobre a Eliminação da Exigência de Legalização de Documentos Públicos Estrangeiros, por meio do Decreto Legislativo nº 148, de 6 de julho de 2015;

Considerando que o Governo brasileiro depositou, junto ao Ministério das Relações Exteriores dos Países Baixos, em 2 de dezembro de 2015, o instrumento de adesão da República Federativa do Brasil à Convenção sobre a Eliminação da Exigência de Legalização de Documentos Públicos Estrangeiros; e

Considerando que a Convenção sobre a Eliminação da Exigência de Legalização de Documentos Públicos Estrangeiros entrará em vigor para a República Federativa do Brasil, no plano jurídico externo, em 14 de agosto de 2016;

DECRETA:

Art. 1º Fica promulgada a Convenção sobre a Eliminação da Exigência de Legalização de Documentos Públicos Estrangeiros, firmada em Haia, em 5 de outubro de 1961, anexa a este Decreto.

Art. 2º São sujeitos à aprovação do Congresso Nacional atos que possam resultar em revisão do Acordo e ajustes complementares que acarretem encargos ou compromissos gravosos ao patrimônio nacional, nos termos do inciso I do caput do art. 49 da Constituição .

Art. 3º Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação.

Brasília, 29 de janeiro de 2016; 195º da Independência e 128º da República.

DILMA ROUSSEFF

José Eduardo Cardozo

Mauro Luiz Iecker Vieira

CONVENÇÃO SOBRE A ELIMINAÇÃO DA EXIGÊNCIA DE LEGALIZAÇÃO DE DOCUMENTOS PÚBLICOS ESTRANGEIROS

(Celebrada em 5 de outubro de 1961)

Os Estados Signatários da presente Convenção,

Desejando eliminar a exigência de legalização diplomática ou consular de documentos públicos estrangeiros,

Decidiram celebrar uma Convenção com essa finalidade e concordaram com as seguintes disposições:

Artigo 1º

A presente Convenção aplica-se a documentos públicos feitos no território de um dos Estados Contratantes e que devam produzir efeitos no território de outro Estado Contratante.

No âmbito da presente Convenção, são considerados documentos públicos:

a) Os documentos provenientes de uma autoridade ou de um agente público vinculados a qualquer jurisdição do Estado, inclusive os documentos provenientes do Ministério Público, de escrivão judiciário ou de oficial de justiça;

b) Os documentos administrativos;

c) Os atos notariais;

d) As declarações oficiais apostas em documentos de natureza privada, tais como certidões que comprovem o registro de um documento ou a sua existência em determinada data, e reconhecimentos de assinatura.

Entretanto, a presente Convenção não se aplica:

a) Aos documentos emitidos por agentes diplomáticos ou consulares;

b) Aos documentos administrativos diretamente relacionados a operações comerciais ou aduaneiras.

Artigo 2º

Cada Estado Contratante dispensará a legalização dos documentos aos quais se aplica a presente Convenção e que devam produzir efeitos em seu território. No âmbito da presente Convenção, legalização significa apenas a formalidade pela qual os agentes diplomáticos ou consulares do país no qual o documento deve produzir efeitos atestam a autenticidade da assinatura, a função ou o cargo exercidos pelo signatário do documento e, quando cabível, a autenticidade do selo ou carimbo aposto no documento.

Artigo 3º

A única formalidade que poderá ser exigida para atestar a autenticidade da assinatura, a função ou cargo exercido pelo signatário do documento e, quando cabível, a autenticidade do selo ou carimbo aposto no documento, consiste na aposição da apostila definida no Artigo 4º, emitida pela autoridade competente do Estado no qual o documento é originado.

Contudo, a formalidade prevista no parágrafo anterior não pode ser exigida se as leis, os regulamentos ou os costumes em vigor no Estado onde o documento deva produzir efeitos – ou um acordo entre dois ou mais Estados contratantes – a afastem ou simplifiquem, ou dispensem o ato de legalização.

Artigo 4º

A apostila prevista no primeiro parágrafo do Artigo 3º será aposta no próprio documento ou em uma folha a ele apensa e deverá estar em conformidade com o modelo anexo à presente Convenção.

A apostila poderá, contudo, ser redigida no idioma oficial da autoridade que a emite. Os termos padronizados nela inscritos também poderão ser redigidos em um segundo idioma. O título “Apostille (Convention de La Haye du 5 octobre 1961)” deverá ser escrito em francês.

Artigo 5º

A apostila será emitida mediante solicitação do signatário do documento ou de qualquer portador. Quando preenchida adequadamente, a apostila atesta a autenticidade da assinatura, a função ou o cargo exercido pelo signatário do documento e, quando cabível, a autenticidade do selo ou carimbo nele aposto. A assinatura, selo ou carimbo contidos na apostila serão isentos de qualquer certificação.

Artigo 6º

Cada Estado Contratante designará as autoridades às quais, em razão do cargo ou função que exercem, será atribuída a competência para emitir a apostila prevista no primeiro parágrafo do Artigo 3º.

Esta designação deverá ser notificada pelo Estado Contratante ao Ministério das Relações Exteriores dos Países Baixos, no momento do depósito do respectivo instrumento de ratificação, adesão ou da respectiva declaração de extensão. Todas as modificações que ocorrerem na designação daquelas autoridades também deverão ser notificadas ao referido Ministério.

Artigo 7º

Cada uma das autoridades designadas nos termos do Artigo 6º manterá registro ou arquivo no qual serão anotadas as apostilas emitidas, especificando:

a) O número e a data da apostila;

b) O nome do signatário do documento público e o cargo ou função por ele exercida ou, no caso de documentos não-assinados, a indicação da autoridade que apôs o selo ou carimbo.

Mediante solicitação de qualquer interessado, a autoridade emissora da apostila verificará se os dados nela inscritos correspondem àqueles contidos no registro ou no arquivo.

Artigo 8º

Sempre que um tratado, convenção ou acordo entre dois ou mais Estados Contratantes contiver disposições que sujeitem o reconhecimento de uma assinatura, selo ou carimbo a certas formalidades, a presente Convenção apenas derrogará as referidas disposições se tais formalidades forem mais rigorosas do que a formalidade prevista nos Artigos 3º e 4º.

Artigo 9º

Cada Estado Contratante tomará as providências necessárias para evitar que seus agentes diplomáticos ou consulares realizem legalizações nos casos em que esse procedimento seja dispensado pela presente Convenção.

Artigo 10

A presente Convenção fica aberta à assinatura pelos Estados representados na 9ª Sessão da Conferência da Haia sobre Direito Internacional Privado, bem como por Irlanda, Islândia, Liechtenstein e Turquia.

A Convenção será ratificada e os instrumentos de ratificação serão depositados junto ao Ministério das Relações Exteriores dos Países Baixos.

Artigo 11

A presente Convenção entrará em vigor no sexagésimo dia após o depósito do terceiro instrumento de ratificação previsto no segundo parágrafo do Artigo 10.

A Convenção entrará em vigor, para cada Estado signatário que a ratifique posteriormente, no sexagésimo dia após o depósito do respectivo instrumento de ratificação.

Artigo 12

Qualquer Estado que não esteja mencionado no Artigo 10 poderá aderir à presente Convenção depois da sua entrada em vigor, de acordo com o primeiro parágrafo do Artigo 11. O instrumento de adesão será depositado junto ao Ministério das Relações Exteriores dos Países Baixos.

A adesão somente produzirá efeitos no âmbito das relações entre o Estado aderente e os Estados Contratantes que não apresentem objeção à adesão nos seis meses posteriores ao recebimento da notificação prevista no Artigo 15, alínea “d”. Qualquer objeção será informada ao Ministério das Relações Exteriores dos Países Baixos.

A Convenção entrará em vigor entre o Estado aderente e os Estados que não tiverem apresentado objeção à adesão no sexagésimo dia após a expiração do prazo de seis meses previsto no parágrafo anterior.

Artigo 13

Qualquer Estado, no momento da assinatura, da ratificação ou da adesão, poderá declarar que a aplicação da presente Convenção se estenderá ao conjunto dos territórios que ele representa no plano internacional, ou a um ou a alguns dentre eles. Essa declaração terá efeito na data da entrada em vigor da Convenção para o Estado em questão.

Posteriormente, tais extensões serão notificadas ao Ministério das Relações Exteriores dos Países Baixos.

Quando um Estado que tenha assinado e ratificado a presente Convenção apresentar declaração de extensão, esta entrará em vigor nos territórios em questão conforme o Artigo 11. Quando a declaração de extensão for feita por um Estado que tenha aderido à Convenção, esta entrará em vigor nos territórios em questão conforme o Artigo 12.

Artigo 14

A presente Convenção terá vigência de cinco anos a partir da data da sua entrada em vigor, nos termos do primeiro parágrafo do Artigo 11, inclusive para os Estados que a ratificaram ou a ela aderiram posteriormente.

Caso não haja denúncia, a Convenção será renovada tacitamente a cada cinco anos.

A denúncia será notificada ao Ministério das Relações Exteriores dos Países Baixos, pelo menos seis meses antes do final do período de cinco anos.

A denúncia poderá limitar-se a alguns dos territórios aos quais a Convenção se aplica.

A denúncia produzirá efeitos apenas em relação ao Estado que tenha feito a respectiva notificação.

A Convenção permanecerá em vigor para os outros Estados Contratantes.

Artigo 15

O Ministério das Relações Exteriores dos Países Baixos deverá notificar os Estados mencionados no Artigo 10 e os Estados que tenham aderido nos termos do Artigo 12 sobre o seguinte:

a) As notificações previstas no segundo parágrafo do Artigo 6º;

b) As assinaturas e ratificações previstas no Artigo 10;

c) A data em que a presente Convenção entrará em vigor nos termos do primeiro parágrafo do Artigo 11;

d) As adesões e objeções previstas no Artigo 12 e a data em que as adesões entrarão em vigor;

e) As extensões previstas no Artigo 13 e a data em que entrarão em vigor; e

f) As denúncias previstas no terceiro parágrafo do Artigo 14.

Em fé do que, os abaixo assinados, devidamente autorizados, firmaram a presente Convenção.

Concluída na Haia, em 5 de outubro de 1961, em francês e inglês, sendo que o texto em francês prevalecerá em caso de divergência entre os dois textos, em uma única cópia que será depositada nos arquivos do Governo dos Países Baixos e da qual será remetida uma cópia autenticada, por via diplomática, para cada Estado representado na 9ª Sessão da Conferência da Haia sobre Direito Internacional Privado, bem como para Irlanda, Islândia, Liechtenstein e Turquia.

Anexo à Convenção

Modelo de apostila

APOSTILLE

(Convention de La Haye du 5 octobre 1961)

  1. 1. País: ……………………

Este documento público

2. foi assinado por ……………………………………………………….

3

  1. 3. agindo na qualidade de …………………………………………….

5

  1. 4. e tem o selo ou carimbo do ……………………………………..

Reconhecido

  1. em ………………………….. 6. em……………………
  2. pelo ………………………………………………………………………..
  3. sob o Nº ………………………….

7.

  1. 9. Selo/carimbo: 10. Assinatura:

…………………………………………… ………………………………………

A apostila terá a forma de um quadrado com lados medindo no mínimo 9 centímetros

RESOLUÇÃO 228, DE 22 DE JUNHO DE 2016, do Conselho Nacional da Justiça.

(https://atos.cnj.jus.br/files/compilado0014152021052960b187577a927.pdf)

Regulamenta  a  aplicação,  no  âmbito  do Poder  Judiciário,  da  Convenção  sobre  a Eliminação da Exigência de Legalização de Documentos Públicos Estrangeiros, celebrada  na  Haia,  em  5  de  outubro  de 1961 (Convenção da Apostila).

Art. 1º A legalização de documentos produzidos em território nacional e destinados  a  produzir  efeitos  em  países  partes  da  Convenção  sobre  a  Eliminação  da Exigência de Legalização de Documentos Públicos Estrangeiros (Convenção da Apostila) será realizada, a partir de 14 de agosto  de 2016, exclusivamente por meio da aposição de apostila, emitida nos termos desta Resolução.

Parágrafo único. Para os fins desta Resolução, entende-se como legalização,  ou  chancela  consular,  a  formalidade  pela  qual  se  atesta  a  autenticidade  da assinatura,  da  função  ou  do  cargo  exercido  pelo  signatário  do  documento  e,  quando cabível, a autenticidade do selo ou do carimbo nele aposto.

Art. 2º As apostilas emitidas por países partes da Convenção da Apostila, inclusive as emitidas em data anterior à vigência da referida Convenção no Brasil, serão aceitas em todo o território nacional a partir de 14 de agosto de 2016, em substituição à legalização diplomática ou consular.

Art.  3º  Não  será  exigida  a  aposição  de  apostila  quando,  no  país  onde  o documento  deva  produzir  efeitos,  a  legislação  em  vigor,  tratado,  convenção  ou  acordo de  que  a  República  Federativa  do  Brasil  seja  parte  afaste  ou  dispense  o ato  de legalização diplomática ou consular.

  • §1º As disposições de tratado, convenção ou acordo de que a República Federativa do Brasil seja parte e que tratem da simplificação ou dispensa do processo de legalização diplomática ou consular de documentos prevalecem sobre as disposições da Convenção da Apostila,  sempre  que  tais  exigências  formais  sejam  menos  rigorosas  do que as dispostas nos art. 3º e 4º da citada Convenção.
  • §2º Conforme a natureza do documento, poderão ser exigidos procedimentos específicos prévios à aposição da apostila.

Art. 4º Não será aposta apostila em documento que evidentemente consubstancie ato jurídico contrário à legislação brasileira.

Art.  5º  Permanece  regido  pelas  normas  do  Ministério  das  Relações Exteriores  o  procedimento  de  legalização  diplomática  ou  consular  de  documentos  que tenham como origem ou destino países que não sejam partes da Convenção da Apostila, ou quando não for possível a sua aplicação, com base nas exceções previstas em seu art. 1º ou na hipótese de objeção mencionada em seu art. 12.

Parágrafo único. Consoante as normas do Ministério das Relações Exteriores,  a  legalização  de  documentos  mencionados  no  caput  deste  artigo  poderá continuar a ser realizada na sede daquele Ministério, em Brasília-DF, em seus Escritórios Regionais em território nacional e nas Embaixadas e Repartições Consulares da República Federativa do Brasil.

Art.  6o O  Conselho  Nacional  de  Justiça  é  a  autoridade  competente  para emitir  apostilas  em  documentos  originados  no  Brasil,  podendo  delegar  o  exercício  do apostilamento a: (redação dada pela Resolução n. 392, de 26.5.2021)

I  –  pessoas  jurídicas  de  direito  público  e  a  órgãos  públicos,  mediante normatização  específica  da  Corregedoria  Nacional  de  Justiça;  e  (redação  dada  pela Resolução n. 392, de 26.5.2021)

II – titulares dos serviços extrajudiciais. (redação dada pela Resolução n. 392, de 26.5.2021)

III  (revogado pela Resolução n. 392, de 26.5.2021)

  • §1º O  exercício  da  competência  para  emissão  de  apostilas,  observado  o art. 17 desta Resolução, pressupõe autorização específica e individualizada da Corregedoria Nacional de Justiça.
  • §2º O CNJ manterá, em sua página eletrônica, para fins de divulgação ao público, lista atualizada  das  autoridades  brasileiras  habilitadas  a  emitir  a  apostila,  bem como relação de países para os quais será possível a emissão do documento.

Art. 7º A apostila deverá estar em conformidade com o modelo constante do Anexo I desta Resolução, apresentando as seguintes características:

I – terá a forma de um quadrado com pelo menos 9 (nove) centímetros de lado;

II  –  constarão  do  cabeçalho  o  brasão  de  Armas  da  República  Federativa do Brasil e a logomarca do CNJ;

III  –  título  apenas  em  francês  “Apostille  (Convention  de  La  Haye  du  5 octobre 1961)”;

IV – campos fixos inscritos, redigidos em português, inglês e francês;

V – indicar o número sequencial e a data de emissão;

VI – constar o nome do signatário do documento público ou, no caso de documentos  não  assinados,  a  indicação  da  autoridade  que  apôs  o  selo  ou  carimbo, juntamente com o cargo ou a função exercida e a instituição que representa;

  • §1o Os campos 3 (três) e 4 (quatro) serão preenchidos em língua portuguesa, podendo ser acrescidos outros idiomas, mediante apresentação de tradução juramentada do documento original. (incluído pela Resolução n. 392, de 26.5.2021)
  • §2o A Corregedoria Nacional de Justiça definirá os padrões de segurança, validade e  eficácia  para  a  aposição  da  apostila  em  documento  assinado eletronicamente e da emissão de apostila em meio eletrônico.  (incluído pela Resolução n. 392, de 26.5.2021)

Art.  8o As  apostilas  serão  emitidas  e  registradas  em  sistema  eletrônico. (redação dada pela Resolução n. 392, de 26.5.2021)

  • §1o As apostilas  serão  assinadas  com  certificado  digital  e  registradas pelo emissor. (redação dada pela Resolução n. 392, de 26.5.2021)
  • §2o A apostila será emitida desde que realizada a conferência de autenticidade da assinatura, da função ou do cargo exercido pelo signatário do documento e, quando  cabível,  de  autenticidade  do  selo  ou  do  carimbo  nele  aposto. (redação dada pela Resolução n. 392, de 26.5.2021)
  • §3o O apostilamento de documentos assinados fisicamente dependerá da apresentação do original. (redação dada pela Resolução n. 392, de 26.5.2021)
  • §4º As  apostilas  emitidas  deverão  conter  mecanismo  que  permita  a verificação  eletrônica  de  existência  e  de  autenticidade,  assim  como  conexão  com  o documento apostilado.

Art. 9o O sistema eletrônico de apostilamento e registro é de propriedade intelectual  da  União  e  administrado  pelo  Conselho  Nacional  de  Justiça,  por  meio  da Corregedoria Nacional de Justiça. (redação dada pela Resolução n. 392, de 26.5.2021)

Parágrafo  único.  A  Corregedoria  Nacional  de  Justiça  poderá,  sob  sua normatização  e  fiscalização,  delegar,  sem  ônus  para  o  CNJ,  a  gestão,  administração  e manutenção do sistema à Associação de Notários e Registradores do Brasil – ANOREG/BR  ou  outra  entidade  de  representação  nacional  de  todas  as  especialidades notariais  e  registrais  que  venha  a  substituí-la.  (incluído  pela  Resolução  n.  392,  de 26.5.2021)

Art. 10. A numeração da apostila será única em todo o território nacional, cabendo  ao  CNJ  o  registro  e  o  armazenamento  de  todas  as  informações  relativas  às apostilas emitidas pelas autoridades de que trata o art. 6º desta Resolução.

Art.  11.  A  apostila  em  papel  será  impressa,  nos  termos  de  normatização da Corregedoria Nacional de Justiça, carimbada na forma do Anexo II desta Resolução e rubricada em campo próprio pela autoridade competente. (redação dada pela Resolução n. 392, de 26.5.2021)

Art. 12. O CNJ manterá banco de dados unificado do registro eletrônico das  apostilas  emitidas  em  território  nacional,  permitindo  a  qualquer  interessado,  por meio  de  consulta  eletrônica  (online),  a  verificação  da  existência  e  da  autenticidade  das apostilas emitidas, bem como da conexão com cada documento apostilado.

Art. 13. (revogado pela Resolução n. 392, de 26.5.2021)

Art. 14. O CNJ manterá interlocução com entidades e autoridades nacionais e estrangeiras, assim como com a Conferência da Haia de Direito Internacional Privado sobre assuntos relacionados à Convenção da Apostila, para o que poderá coordenar-se com o Ministério das Relações Exteriores.

Art. 15. Será constituído Comitê Gestor, no âmbito do Conselho Nacional  de  Justiça,  composto  pelos  seguintes  membros,  presidido  pelo  primeiro  e coordenado pelo segundo:

I – Conselheiro Ouvidor do CNJ;

II – Secretário-Geral do CNJ;

III – Diretor-Geral do CNJ;

IV – 1 (um) representante da Corregedoria Nacional de Justiça;

V – 1 (um) representante do Ministério das Relações Exteriores, indicado pelo Subsecretário-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior; e

VI – (revogado pela Resolução n. 392, de 26.5.2021)

Art. 16. Caberá à Ouvidoria do CNJ o recebimento de consultas eventualmente formuladas quanto ao tema disciplinado por esta Resolução.

Art.  17.  A  Corregedoria  Nacional  de  Justiça  editará  provimentos  para  a regulamentação da atuação das autoridades apostilantes, especialmente sobre o controle das atividades regidas por esta Resolução.

Art.  18.  Os  emolumentos  corresponderão,  para  cada  apostila  emitida,  ao custo de Procuração Sem Valor Declarado, segundo os valores vigentes em cada Estado da Federação.

Parágrafo  único.  Será  isenta  da  cobrança  de  emolumentos  a  emissão  de apostila em documentos requeridos por órgãos do Poder Executivo Federal para utilização no exterior, no interesse do serviço público.

Art.  19.  A  emissão  de  apostilas  será  obrigatória  em  todas  as  capitais  do País a partir de 14 de agosto de 2016, cabendo à Corregedoria Nacional de Justiça, nos termos  do  art.  6º,  §  1º,  desta  Resolução,  a  análise  da  conveniência  e  da  oportunidade quanto à interiorização da prestação deste serviço público.

Art. 20. (Revogado pela Resolução n. 247, de 15.5.18)

Art. 21. Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação.

Ministro Ricardo Lewandowski

PROVIMENTO No 62, DE 14 DE NOVEMBRO DE 2017, do Conselho Nacional de Justiça

 (https://atos.cnj.jus.br/files/compilado2044342021071260eca9b28ddbd.pdf)

Dispõe sobre a uniformização dos procedimentos para a aposição de apostila, no âmbito do Poder Judiciário, da Convenção sobre a Eliminação da Exigência de Legalização de Documentos Públicos Estrangeiros, celebrada na Haia, em 5 de outubro de 1961 (Convenção da Apostila)

Art.  1º  Dispor  sobre  a  uniformização  dos  procedimentos  para  a  aposição  de apostila em documentos públicos produzidos no território nacional.

Parágrafo  único.  Equiparam-se  a  documento  público  produzido  no  território nacional os históricos escolares, declarações de conclusão de série e diplomas ou certificados de conclusão de cursos registrados no Brasil (Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996).

Art. 2º O ato de aposição de apostila observará rigorosamente o disposto na Resolução CNJ n. 228, 22 de junho de 2016, em seus anexos e neste provimento.

  • §1º A apostila emitida em meio físico será afixada no documento pela autoridade apostilante, não sendo  permitida  a  entrega  da  apostila  de  forma  avulsa  ao  solicitante  do serviço. (redação dada pelo Provimento n. 119, de 7.7.2021)
  • §2º O  descumprimento  das  disposições  contidas  na  mencionada  resolução  e  no presente  provimento  pelas  autoridades  apostilantes  ensejará  a  instauração  de  procedimento administrativo disciplinar, sem prejuízo de responsabilização cível e criminal.

Art. 3º Serão obrigatórios o cadastramento e a prestação do serviço de apostilamento por todos os serviços de notas e de registro das capitais dos Estados e do Distrito Federal.

  • §1º Os serviços de notas e de registro da capital dos Estados e do Distrito Federal que expuserem motivos  justificados  às  corregedorias-gerais  de  justiça  locais  poderão  ser dispensados da prestação dos serviços de apostilamento, devendo o ato de dispensa ser comunicado formalmente à Corregedoria Nacional de Justiça.
  • §2º O cadastramento e a prestação do serviço de apostilamento pelos serviços de notas e de registro do interior de cada Estado serão facultativos, mas recomendáveis para conferir melhor capilaridade ao serviço.
  • §3º O  ato  de  credenciamento  das  autoridades  apostilantes  será  realizado  pelas corregedorias-gerais  de  Justiça  dos  Estados  e  do  Distrito  Federal,  às  quais  compete  enviar  à Corregedoria Nacional de Justiça listagem com a identificação das autoridades aptas à prestação do  serviço  de  apostilamento,  devidamente  capacitadas  nos  termos  do  art.  4°,  §§  1º  e  2º,  deste Provimento, e com os dados necessários ao cadastro, conforme Anexo do presente Provimento. (redação dada pelo Provimento n. 119, de 7.7.2021)
  • §4º (revogado pelo Provimento n. 106, de 17.06.2020)

Art. 4º O serviço notarial e de registro exercerá o apostilamento por delegação do Conselho Nacional de Justiça. (redação dada pelo Provimento n. 119, de 7.7.2021)

  • §1º O  apostilamento  poderá  ser  executado  por  qualquer  notário  ou  registrador cadastrado,  mediante  capacitação  oferecida  por  suas  entidades  de  classe,  sob  supervisão  da Corregedoria  Nacional  de  Justiça,  independentemente  de  especialização  do  serviço  ou  de circunscrição territorial. (redação dada pelo Provimento n. 119, de 7.7.2021)
  • §2º O  responsável  pela  serventia  e  os  escreventes  autorizados  já  cadastrados deverão  participar  e  obter  aprovação  no  curso  de  capacitação  a  que  se  refere  o  parágrafo antecedente, até agosto de 2022. (redação dada pelo Provimento n. 119, de 7.7.2021)
  • §3º Ao  apostilar  documentos  emitidos  por  serviço  notarial  ou  registral,  a autoridade  apostilante  deverá  verificar  a  função  e  a  autenticidade  da  assinatura  do  subscritor mediante consulta às centrais de sinais públicos das respectivas especialidades, cujo acesso deverá ser franqueado às autoridades apostilantes para este fim. (redação dada pelo Provimento n. 119, de 7.7.2021)
  • §4º Será mantida, no sistema eletrônico de apostilamento, ferramenta relacionada a banco de dados de sinais públicos de autoridades brasileiras, para fins de coleta de seus padrões de sinais públicos,  assim  como  identificação  civil  e  documentação  comprobatória  do  cargo  ou função  exercida,  cumprindo-se  as  formalidades  constantes  do  art.  3º  da  Convenção  sobre  a Eliminação  da  Exigência  de  Legalização  de  Documentos  Públicos  Estrangeiros,  firmada  pela

República Federativa do Brasil, em Haia, em 5 de outubro de 1961, para consulta e conferência pelas autoridades apostilantes. (redação dada pelo Provimento n. 119, de 7.7.2021)

  • §5º No caso de vacância ou afastamento do titular do serviço notarial e de registro, o serviço será prestado pelo designado responsável do serviço extrajudicial. (redação dada pelo Provimento n. 119, de 7.7.2021)

Art.  5º  A  aposição  de  apostila  em  documento  público  brasileiro  somente  será admitida por autoridade apostilante devidamente cadastrada no sistema eletrônico de apostilamento disponibilizado gratuitamente pelo Conselho Nacional de Justiça, para a confecção, consulta e aposição de apostila. (redação dada pelo Provimento n. 119, de 7.7.2021)

  • §1º As  apostilas  serão  assinadas  com  certificado  digital  e  registradas  pelo emissor. (redação dada pelo Provimento n. 119, de 7.7.2021) 
  • §2º A gestão, administração e manutenção do sistema poderá ser delegada pela Corregedoria  Nacional de  Justiça  à  Associação  de  Notários e  Registradores  do  Brasil – ANOREG/BR ou outra entidade de representação nacional de todas as especialidades notariais e registrais que venha a substituí-la, mediante a celebração de Termo de Cooperação Técnica com os seus institutos membros, no qual serão definidos deveres, responsabilidades, critérios de rateio dos  custos,  prazo  para  transição,  condições  em  caso  da  extinção  da  delegação  prevista  neste parágrafo,  dentre  outras  disposições  pertinentes. (redação  dada  pelo  Provimento  n.  119,  de 7.7.2021) 
  • §3º A delegação a que se refere o § 2º deste artigo ocorrerá sem ônus para o CNJ e será fiscalizada  por  Comitê  Técnico  instituído  pela  Corregedoria  Nacional  de  Justiça,  cujas competências serão definidas no ato normativo que o instituir. (incluído pelo Provimento n. 119, de 7.7.2021) 

Art. 6º As corregedorias-gerais de justiça e os juízes diretores do foro das unidades judiciárias  são autoridades  competentes  para  o ato  de aposição  de  apostila somente  quanto aos documentos de interesse do Poder Judiciário.

Parágrafo  único.  Consideram-se  documentos  de  interesse  do  Poder  Judiciário aqueles  oriundos  de  seus  respectivos  órgãos  em  países  signatários  da  Convenção  da  Apostila, bem como aqueles necessários à adoção internacional.

Art.  7º  Para  fins  de  apostilamento,  a  critério  do  solicitante  do  serviço,  os documentos  eletrônicos  poderão  ser  impressos  para  aposição  de  apostila. (redação  dada  pelo Provimento n. 119, de 7.7.2021)  

  • §1º O  papel  de  segurança  padronizado,  conforme  requisitos  de  segurança submetidos pela ANOREG-BR e aprovados pela Corregedoria Nacional de Justiça, será numerado  sequencialmente  e  vinculado  ao  CNS  –  Cadastro  Nacional  de  Serventia  de  cada unidade. (redação dada pelo Provimento n. 119, de 7.7.2021)  
  • §2º O papel de segurança não pode ser alienado ou cedido entre as autoridades apostilantes, sob pena  de  responsabilidade  civil,  penal  e  administrativa. (redação  dada  pelo Provimento n. 119, de 7.7.2021) 
  • §3º Para fins de apostilamento, considerar-se-ão válidos, pelo prazo de 12 (doze) meses contados da publicação deste Provimento, os papéis de segurança previamente adquiridos junto à Casa  da  Moeda  do  Brasil,  na  forma  estabelecida  em  contrato  firmado  pelo  Conselho Nacional de Justiça. (incluído pelo Provimento n. 119, de 7.7.2021) 

Art. 8º As autoridades apostilantes deverão, para fins de controle das corregedorias-gerais de justiça dos Estados e do Distrito Federal, afixar no documento, previamente  ao  ato  de  digitalização  do  documento  apostilando,  o  selo  físico,  etiqueta  e/ou  a estampa  de  selo  eletrônico,  conforme  regras  locais. (redação  dada  pelo  Provimento  n.  119,  de 7.7.2021) 

Art.  9º  A  apostila  será  emitida  mediante  solicitação  do  portador  do  documento, sendo dispensado requerimento escrito. As autoridades apostilantes darão recibo de protocolo no momento do requerimento, estipulando prazo para entrega, que não poderá ultrapassar 5 (cinco) dias.

  • §1º As autoridades apostilantes deverão prestar ao solicitante do serviço todos os esclarecimentos necessários antes da prática do ato de apostilamento.
  • §2º Para a emissão da apostila, a autoridade apostilante deverá realizar a análise formal do documento  apresentado,  aferindo  a  autenticidade  de  todas  as  assinaturas  apostas,  do cargo ou função exercida pelo signatário e, quando cabível, a autenticidade do selo ou do carimbo aposto.
  • §3º O  apostilamento  de  reconhecimento  de  firma  ou  de  cópia  autenticada  é  ato excepcional, caso em que a assinatura, a função ou o cargo exercido a serem lançados na apostila serão do tabelião ou do seu preposto que apôs a fé pública no documento.
  • §4º O apostilamento de certidão de registro de documento e de reconhecimento de firma somente será permitido em documentos de natureza privada.

Art.  10.  Em  caso  de  dúvida  quanto  à  autenticidade  do  documento  público produzido em território brasileiro, a autoridade apostilante deverá realizar procedimento específico prévio, conforme previsto no art. 3º, § 2º, da Resolução CNJ n. 228/2016.

  • §1º Persistindo  a  existência  de  dúvida  após  a  finalização  do  procedimento específico  prévio,  a  autoridade  apostilante  poderá  recusar  a  aposição  de  apostila  mediante  ato fundamentado, que deverá ser entregue ao solicitante do serviço.
  • §2º O  ato  de  instauração  do  procedimento  prévio  e  o  de  recusa  de  aposição  da apostila poderão ser impugnados pelo solicitante do serviço no prazo de 5 (cinco) dias, perante a autoridade  apostilante,  que,  não  reconsiderando  o  ato,  no  mesmo  prazo,  remeterá  o  pedido  à corregedoria-geral  de  justiça  do  Estado  ou  do  Distrito  Federal  para  decisão  sobre  a  questão duvidosa em 30 (trinta) dias.

Art. 11. A apostila será emitida por documento, não importando a quantidade de páginas que possuir. Será de forma diversa se o solicitante do serviço assim o requerer.

Art.  12.  Ao  realizar  o  ato  de  apostilamento,  a  autoridade  apostilante  deverá proceder à inserção da imagem do documento no banco de dados unificado do registro eletrônico das apostilas. (redação dada pelo Provimento n. 119, de 7.7.2021) 

  • §1º No ato de digitalização do documento, a autoridade apostilante deverá utilizar-se de software que minimize o tamanho do arquivo.
  • §2º A  autoridade  apostilante  deverá  conferir  a  correspondência  entre  a  imagem eletrônica e o documento. (redação dada pelo Provimento n. 119, de 7.7.2021) 

Art.  13.  Encerrado  o  procedimento  de  aposição  de  apostila  e  constatado  erro,  a autoridade apostilante deverá refazer o procedimento para a aposição de outra apostila, inutilizando o primeiro ato.

  • §1º Constatado  que  o  erro  ocorreu  devido  a  falha  do  serviço  da  autoridade apostilante, o novo apostilamento deverá ser realizado sem custo para o solicitante do serviço.
  • §2º Constatado  que  o  erro  ocorreu  devido  a  falha  de  informações  por  parte  do solicitante do serviço, o novo apostilamento será por ele custeado.

Art. 14. O documento eletrônico apresentado à autoridade apostilante ou por ela expedido  poderá  ser  apostilado  independentemente  de  impressão  em  papel,  desde  que  esteja emitido em formato compatível para upload no sistema do CNJ e assinado eletronicamente. (redação dada pelo Provimento n. 119, de 7.7.2021) 

  • §1º A apostila eletrônica será salva em arquivo único, na sequência do documento, assinada pela autoridade  apostilante,  entregue  em  mídia  ou  enviado  no  endereço  eletrônico fornecido pelo solicitante. (redação dada pelo Provimento n. 119, de 7.7.2021) 
  • §2º Para  os  fins  estabelecidos  no  caput  deste  artigo,  considera-se  assinado eletronicamente: (redação dada pelo Provimento n. 119, de 7.7.2021) 

I – o arquivo eletrônico assinado na forma do art. 10, § 1º, da Medida Provisória nº 2.200-2, de 24 de agosto de 2001, ou legislação superveniente; ou (incluído pelo Provimento n. 119, de 7.7.2021) 

II – o documento que contém declaração de ter sido assinado na forma do art. 10, §  1º,  da  Medida  Provisória  nº  2.200-2,  de  24  de  agosto  de  2001;  do art.  1º,  §  2º,  III,  da  Lei  nº 11.419, de 19 de dezembro de 2006; ou do art. 4º da Lei nº 14.063, de 23 de setembro de 2020, cujo conteúdo pode ser conferido na rede mundial de computadores, em site governamental. (incluído pelo Provimento n. 119, de 7.7.2021) 

  • §3º Nas hipóteses do § 2º, II, deste artigo, em caso de dúvida sobre a veracidade do documento ou  do  sítio  eletrônico  de  verificação,  a  autoridade  apostilante  contatará  o  órgão responsável  pela  emissão  do  documento,  e,  permanecendo  a  dúvida,  o  apostilamento  será negado. (incluído pelo Provimento n. 119, de 7.7.2021) 

Art. 15. A aposição de apostila em tradução de documento público produzido no território nacional somente será admitida em tradução realizada por tradutor público ou nomeado ad hoc pela junta comercial.

  • §1º O procedimento deverá ser realizado em duas apostilas distintas: apostila-se primeiro o documento público original e, posteriormente, o traduzido. (renumerado para § 1º pelo Provimento n. 119, de 7.7.2021)
  • §2º Para  fins  de  aposição  da  apostila,  o  documento  de  procedência  interna bilíngue,  contendo  versão  em  língua  estrangeira,  não  dispensa  a  apresentação  da  tradução juramentada. (incluído pelo Provimento n. 119, de 7.7.2021) 

Art.  16.  Em  caso  de  extravio  ou  de  inutilização  do  papel  de  segurança  utilizado para o ato de aposição da apostila, as autoridades apostilantes deverão fazer inserir a informação diretamente  no  sistema  eletrônico  de  apostilamento. (redação  dada  pelo  Provimento  n.  119,  de 7.7.2021) 

Parágrafo  único.  Em  caso  de  inutilização  do  papel  de  segurança,  a  autoridade apostilante  deverá  destruí-lo  mediante  incineração  ou  procedimento  semelhante,  registrando  o incidente na forma do caput. (redação dada pelo Provimento n. 119, de 7.7.2021) 

Art.  17.  Os  emolumentos  serão  cobrados  por  apostila,  nos  termos  do art.  18  da Resolução CNJ n. 228/2016, enquanto não for editada legislação específica no âmbito dos Estados e do Distrito Federal.

  • §1º É  dispensada  a  cobrança  de  emolumentos  para  emissão  de  apostila  em documentos requeridos por órgãos da administração direta do Poder Executivo federal, estadual ou municipal para utilização no exterior, no interesse do serviço público.
  • §2º Os  órgãos  da  administração  direta  do  Poder  Executivo  federal,  estadual  ou municipal  solicitarão  o  apostilamento  do  documento  público  produzido  no  território  nacional mediante ofício endereçado ao serviço de notas ou de registro.
  • §3º O  Poder  Judiciário  dos  Estados  e  do  Distrito  Federal,  no  âmbito  de  sua competência,  estabelecerá  forma  de  compensação  para  a  emissão  de  apostila  em  documentos requeridos por órgãos da administração direta do Poder Executivo federal, estadual ou municipal.
  • §4º É vedada a prática de cobrança parcial ou de não cobrança de emolumentos, ressalvadas as hipóteses  de  isenção,  não  incidência  ou  diferimento  previstas  na  legislação específica.

Art.  18.   Este  provimento  entra  em  vigor  na  data  de  sua  publicação,  ficando revogado  o Provimento  CN-CNJ  n.  58,  de  9  de  dezembro  de  2016,  bem  como  quaisquer disposições em contrário.

Ministro JOÃO OTÁVIO DE NORONHA

LEI DE REGISTROS PÚBLICOS – LEI 6.015/73

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l6015compilada.htm

Art. 29… § 3o  Os ofícios do registro civil das pessoas naturais são considerados ofícios da cidadania e estão autorizados a prestar outros serviços remunerados, na forma prevista em convênio, em credenciamento ou em matrícula com órgãos públicos e entidades interessadas.

  • §4o O convênio referido no § 3o deste artigo independe de homologação e será firmado pela entidade de classe dos registradores civis de pessoas naturais de mesma abrangência territorial do órgão ou da entidade interessada.